African American woman psychologist supports her patient
No mundo corporativo, algumas questões podem parecer um verdadeiro quebra-cabeça, e a saúde mental não é exceção. Vamos dar uma olhada em algumas dessas verdades que podem até parecer mitos sobre a saúde mental nas empresas. Todos nós podemos desempenhar um papel vital ao sermos sensíveis, compreensivos e proativos na identificação e no apoio às pessoas em risco. A prevenção é um esforço coletivo.

No mundo corporativo, algumas questões podem parecer um verdadeiro quebra-cabeça, e a saúde mental não é exceção. Vamos dar uma olhada em algumas dessas verdades que podem até parecer mitos sobre a saúde mental nas empresas

Mito 1: a saúde mental é uma preocupação pessoal!

Verdade: colaboradores saudáveis mentalmente são mais produtivos, engajados e têm menos faltas no trabalho. Além disso, as empresas têm a responsabilidade ética de proporcionar um ambiente de trabalho seguro e saudável, que inclua a saúde mental.

 

Mito 2: a prevenção ao suicídio é apenas para funcionários com problemas evidentes de saúde mental!

Verdade: a prevenção ao suicídio deve ser para todos. Muitas pessoas que estão em risco podem não mostrar sinais óbvios. A promoção de um ambiente de trabalho saudável para todos pode prevenir o surgimento de problemas de saúde mental.

 

Mito 3: a prevenção ao suicídio é cara e difícil de implementar nas empresas!

Verdade: muitas medidas de prevenção ao suicídio nas empresas são acessíveis e eficazes. Isso inclui treinamento de funcionários, disponibilização de recursos de saúde mental, políticas de licença e flexibilidade no trabalho.

 

Mito 4: se alguém está pensando em suicídio, não há nada que possamos fazer!

Verdade: há sempre algo que podemos fazer. Oferecer apoio, ouvir com empatia, encorajar a busca de ajuda profissional e seguir os protocolos adequados de intervenção em caso de emergência são passos cruciais.

Vamos dar uma olhada na prevenção do suicídio no ambiente de trabalho, afinal, a vida é uma só e merece ser vivida com leveza, certo?

As empresas têm um papel crucial nessa missão, e isso não precisa ser algo pesado. É só uma questão de se comprometer com a saúde mental dos colaboradores. Imagine só que incrível seria fazer parte de uma equipe que se preocupa com o bem-estar de todos!

 

Fatores de risco para o suicídio: como identificá-los e o que fazer

Histórico de tentativas anteriores: pessoas que passaram por isso antes merecem nosso apoio, pois sabemos que têm uma chance maior de precisar de ajuda novamente.

Isolamento social: a vida fica bem mais legal quando temos amigos por perto. Isolamento pode ser complicado, então, vamos nos esforçar para manter a conexão com nossos colegas.

Abuso de substâncias: beber e usar drogas não são soluções para os problemas, e sabemos que isso pode nos fazer tomar decisões ruins. Vamos tentar manter nossos impulsos de autopreservação, combinado?

Problemas financeiros: sabemos como isso pode ser estressante, mas lembre-se de que há ajuda por aí.

Eventos de vida traumáticos: a vida tem seus altos e baixos, e todos passamos por momentos difíceis. Não tenha medo de pedir apoio quando precisar.

Problemas de saúde crônicos: às vezes, a saúde nos dá uns sustos, mas não é motivo para desistir. Vamos buscar apoio emocional quando necessário.

Lembrem-se de que estamos todos juntos nessa jornada chamada vida, e podemos torná-la mais leve e descontraída, mesmo quando falamos sobre temas sérios como a prevenção do suicídio. Vamos cuidar uns dos outros e fazer a diferença!

 

Como identificar os fatores de risco

Identificar esses fatores pode ser como encontrar um unicórnio. Por quê? Porque as pessoas são mestres em esconder seus sentimentos e intenções. Mas, saca só, você pode ficar atento a alguns sinais:

  • Expressões de desespero, como “não aguento mais” ou “não vejo saída”;
  • Mudanças drásticas de comportamento, humor ou hábitos;
  • Isolamento social significativo e falta de interesse em atividades anteriormente bem-vistas;
  • Dificuldade em dormir ou dormir em excesso;
  • Preparativos ou comentários sobre suicídio, como dar sinais de despedida.

 

Mental health pana.svg

Como apoiar alguém que esteja em crise

Escute com empatia: se alguém começar a abrir o coração sobre pensamentos suicidas, ouça com empatia, “nossa, estou aqui para você”, sem nenhum tipo de julgamento. A pessoa vai ver que tem alguém ali que realmente se importa.

Pergunte diretamente: não precisa ser um detetive, porém, não tenha medo de perguntar se a pessoa está pensando de forma negativa ou em se suicidar. Isso não aumentará o risco, mas pode abrir a porta para uma conversa que vai salvar vidas.

Não deixe a pessoa sozinha: se alguém estiver em risco iminente, não a deixe sozinha. Procure ajuda profissional imediatamente.

Ajude a encontrar ajuda profissional: incentive a pessoa a procurar um psicólogo, terapeuta ou médico para dar aquela força.

Mantenha o contato: não dá para ser “tô aqui por hoje e depois sumo”. O apoio constante é a chave.

Informe alguém de confiança: Compartilhe suas preocupações com amigos, familiares ou colegas de trabalho próximos para que eles também possam oferecer suporte.

 

A Paromed Digital pode te ajudar!

Lembre-se que a prevenção é um esforço coletivo. Todos nós podemos desempenhar um papel vital ao sermos sensíveis, compreensivos e proativos na identificação e no apoio às pessoas em risco. A busca por ajuda profissional é fundamental, e não hesite em contatar uma linha de apoio ou serviço de prevenção de suicídio se você ou alguém que você conhece estiver enfrentando essa situação. A vida é valiosa, e juntos podemos ajudar a preservá-la.

Entre em contato e vamos conversar sobre como podemos te ajudar. Bora garantir um ambiente de trabalho com saúde? Estamos aqui para isso!

Últimas notícias

O conceito de gestão da mudança tem raízes que remontam ao início da primeira metade do século XX, mas sua consolidação e popularização ocorreram ao longo de décadas, marcadas por contribuições significativas de teóricos e estudiosos.
Liderança é um fenômeno complexo e multifacetado que envolve a habilidade de influenciar e inspirar outros na consecução de objetivos comuns.
A economia compartilhada tem se destacado como uma nova forma de consumo, impulsionada pelo avanço das plataformas digitais e pela mudança de paradigmas em relação à posse de bens e serviços. Para os empreendedores, essa modalidade econômica apresenta oportunidades e desafios únicos, especialmente no que diz respeito à gestão contábil.
Ver mais

Inscreva-se em nosso blog

Acesse, em primeira mão nossos principais posts diretamente em seu e-mail